Vida de Artista
Fique por dentro de todas as novidades que acontecem com a dupla Sá & Guarabyra.
TOUR DE FORCE

guttemberg guarabyra

 

Depois de vencer o Festival Internacional da Canção, a polêmica se instaurou no Rio de Janeiro. Discutia-se a cada esquina se o resultado teria sido justo, visto que aquele rapazola magro e insolente, sem tradição alguma no meio musical, tinha deixado em segundo e terceiro lugares nada mais nada menos que Milton Nascimento e Chico Buarque. No carnaval, estourou uma marchinha que relatava a pendenga da classificação. Dizia que "a noite era de Carolina (de Chico Buarque) mas foi Margarida (minha canção) que entrou de sola". Caetano Veloso, em "Baby", discorria, ferino: "você precisa saber ...da margarina, da Carolina..."

Eu me divertia muito. Afinal, das três canções que havia inscrito no concurso, duas foram classificadas. A interpretação da outra, Marinheiro Olé, foi comentada pela crítica da época como um "tour de force" de Agostinho dos Santos. Quanto a esta canção, houve um lamentável descuido de minha parte que quase comprometeu sua apresentação. Aconteceu que, depois de ter sido procurado por Agostinho dos Santos, que se ofereceu para defendê-la, ele não mais conseguia encontrar-me para que eu o instruísse sobre a letra e a melodia. Ora, aos dezenove anos naquela Cidade Maravilhosa de perdição e de desejo, assim que se espalhou a notícia de minha ousada classificação, começaram a surgir oportunidades que minha condição anterior, de, digamos, pouco favorecido, anônimo e mal-ajambrado, jamais havia permitido. De uma hora para outra, passei a ser requisitado para reuniões sociais em que a quantidade de gatinhas a lançar olhares furtivos em minha direção ultrapassava, numa só noite, todas as chances surgidas durante toda a minha existência. Daí desaparecer e só voltar a dar as caras dias depois, virou rotina. Um brinde aos dezenove!

Isso deixava o grande Agostinho dos Santos maluco, pois a data da apresentação se aproximava e ele não conseguia deter-me num canto para finalmente aprender a cada vez mais maldita composição que havia escolhido para defender. Tudo ficou mais fácil, porém, a partir do momento em que, com o dinheiro que começava a entrar, pude alugar um quarto no folclórico Solar da Fossa, morada de dez entre dez artistas daquela geração. Com endereço fixo e não mais residindo de favor nos mais diversos pontos da cidade (inclusive no próprio Solar, no quarto alugado por Paulinho da Viola e Abel Silva), ficou fácil localizar-me. Tanto que, certa tarde, Agostinho dos Santos, abriu a cortina do meu recém-alugado apartamento térreo, e me encontrou.

Eu havia chegado em casa com o dia amanhecendo, já acompanhado daquela que acabaria sendo a namorada que me acompanharia por longo tempo. Acordamos cerca do meio-dia e, preguiçosamente, continuamos na cama. Roça daqui e dali, e como nada é melhor do que fazer amor logo ao despertar, atracamo-nos mais uma vez. 

No pátio interno do Solar, Agostinho, com suas bochechas enormes e o sorriso mais simpático que já vi, depois de certificar-se na portaria sobre minha presença, aproximava-se sorrateiramente da janela do meu quarto. Discretamente, verificou que estava cerrada apenas pela grossa cortina. Lá dentro, a sessão de amor continuava, sem que déssemos conta do drama que estava prestes a se desenrolar a partir da janela, aos pés da cama. Até que aconteceu. Agostinho, segurando firmemente a cortina, descerrou-a de um só golpe ao mesmo tempo em que bradava: "Achei!!". Colhidos de surpresa pelo berro e pela luz intensa do dia, eu e minha namorada nos quedamos paralisados. Olhei para trás, por cima do próprio ombro, e divisei a cena que jamais esquecerei: Agostinho dos Santos, pálido, fitava-me desde aquele ponto de vista esdrúxulo enquanto balbuciava palavras incompreensíveis. Imediatamente bateu em retirada. Aí foi minha vez de procurá-lo. Em vão. Só consegui mesmo achá-lo no dia da apresentação, que foi excelente e mereceu como elogio a tal expressão francesa que significa "emprego de muita força para alcançar um fim". E cujo sentido me faz lembrar que, depois de Agostinho ter debandado, não houve tour de force capaz de fazer o casal prosseguir. Muitas horas mais tarde, a gente ainda não conseguia parar de rir. 

 

 

CONTATO
Entre em contato com a dupla Sá & Guarabyra através do e-mail abaixo, ou através da nossa página no facebook.
11 3159-1323
11 99225-8725
chicocalabro@terra.com.br
facebook/saeguarabyraoficial
Direção de arte / Design / Desenvolvimento:
©2017 - Todos os direitos reservados - www.saeguarabyra.com.br